Justiça decide que julgamento do caso Mércia será em Guarulhos

O Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu, nesta quarta-feira, por dois votos a um, que os acusados pela morte da advogada Mércia Nakashima, Mizael Bispo de Souza e Evandro Bezerra da Silva, devam ser julgados na cidade de Guarulhos, Grande São Paulo, caso sejam mandados a júri popular.

A Justiça já havia decidido que eles fossem julgados na cidade onde a vítima morava. No entanto, a defesa entrou com recurso alegando incompetência do juízo, isso porque o clamor público gerado em Guarulhos impediria, segundo os advogados, que o julgamento fosse isento.

Eles pediram a transferência do caso para Nazaré Paulista, interior do Estado, onde o corpo da advogada foi encontrado, mas o Tribunal de Justiça confirmou a decisão anterior e manteve em Guarulhos.

Segundo o desembargador Breno Guimarães, “o juízo competente para processamento e julgamento do feito é aquele que melhor facilitará a produção de provas, o bom funcionamento da máquina judiciária e a celeridade processual, propiciando, assim, a maior exatidão possível na apuração dos fatos”.

Segundo o TJ, o juiz Leandro Bittencourt Cano, que espera o posicionamento do TJ, irá agora decidir se os dois irão a júri. Entre os dias 18 e 21 de outubro, Cano presidiu a audiência de instrução do caso, ouviu testemunhas de defesa e acusação, o delegado Antônio Olim, o perito Renato Pattoli, além dos réus, para formar sua convicção.

Mizael Bispo, ex-namorado da vítima, foi ouvido no dia 21 de outubro e voltou a negar que tenha matado Mércia. Ele atribuiu a acusação do crime a “inimigos”. “Acho que foi uma armadilha que fizeram pra mim. Quando termina um relacionamento o outro é sempre suspeito. Como não tem outra investigação, fizeram isso”, afirmou. Mizael disse também que confia na Justiça e irá provar sua inocência. “Quando acabar isso vou começar a minha investigação e desmascarar muita gente”.





O vigia Evandro Bezerra da Silva que chegou a confessar participação no crime – dizendo que foi buscar Mizael na represa após ele ter matado a ex – afirmou na audiência que foi torturado por policiais de Sergipe.

Na ocasião, a mãe de Mércia, Janete Nakashima, disse que estava “satisfeita” com a audiência. “Muitas contradições já sabíamos e só vieram a provar o que já sabíamos, que foram eles os assassinos da minha filha”, considerou. “Apesar da dor, de que minha filha não volta mais, eles serão condenados”, opinou, confiante.

Fonte: Último Segundo IG

Justiça decide que julgamento do caso Mércia será em Guarulhos
Rate this post




Deixe seu comentário